segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Devoradores de plantas - Parte 2

Olá novamente. Continuando nosso tema iniciado na semana passada "Devoradores de Plantas" vamos falar hoje a respeito dos pulgões.
Acredito que muitos já tenham visto um desses bichinhos agarrados nos galhos ou folhas das plantas. Quando eu era garoto, costumava chamar esses bichinhos de "filhote de soldadinho", que segundo o Blog Bichinhos e Vegetarianismo, também é um sugador de seiva.

Os Pulgões, também chamados de afídeos, são pequenos insetos de corpo mole, pertencem a ordem Hemíptera e são umas das pragas mais comuns em plantas ornamentais. Eles são gregários, o corpo tem forma de pêra e possuem duas estruturas que se projetam da região abdominal, para trás, os chamados sifúnculos ou cornículos.

Existem várias espécies de pulgões, que possuem cores variadas, como verde, marrom, preta, amarela e avermelhada. que se alimentam das mais diferentes espécies botânicas sendo encontrados geralmente nas folhas jovens, em brotos ou ramos.

Geralmente os adultos são ápteros (sem asas), mas podem ocorrer indivíduos com asas (alados), principalmente quando suas populações estão altas. Estes indivíduos alados permitem a disseminação da praga para plantas e locais mais distantes.
Ao sugarem continuamente a seiva das plantas, os pulgões promovem o encurvamento das folhas tornando-as deformadas e impróprias para a comercialização. Este tipo de dano é observado quando as populações estão altas.
Uma vez ocorrido o dano, o controle é dificultado, uma vez que os insetos permanecem dentro das folhas retorcidas protegidos do contato com produtos químicos, como os agrotóxicos. Algumas espécies de pulgões são vetores importantes de vírus que causam doenças às plantas.
Ao sugarem a seiva das plantas os pulgões secretam uma substância líquida adocicada pelo ânus, chamada honeydew, em inglês. Formigas, abelhas e vespas são atraídas para esta substância açucarada que lhes servem de alimento. Fungo enegrecido, chamado fumagina, cresce sobre a substância açucarada cobrindo as
folhas que ficam abaixo dos pulgões, onde cai o honeydew. O fungo impede diminui a capacidade fotossintética da planta ocasionando diminuição no seu crescimento.

Controle Cultural

Como os pulgões se alimentam de uma variedade de plantas, mantenha as áreas de produção livres de plantas daninhas, que podem servir de hospedeiros para diferentes espécies da praga.
Em casas de vegetação, colocar telas de malha fina nas portas de entrada para impedir que formas aladas de pulgões entrem; ao iniciar uma cultura, verificar a presença de pulgões nas mudas. Se ocorrerem, tratá-las ou descartá-las.

Monitoramento

Em casas de vegetação, placas adesivas amarelas irão atrair os indivíduos alados.
No entanto, faz-se necessário realizar a checagem de pulgões nas plantas regularmente; duas vezes por semana, no período de crescimento.

Controle Biológico

Inimigos naturais são extremamente importantes no controle de pulgões, mas somente são mantidos naquelas culturas não pulverizadas com agrotóxicos, principalmente organofosforados, carbamatos e piretróides que os matam.
Geralmente as populações de inimigos naturais são altas quando a população de pragas também está alta.
Dentre os inimigos naturais mais importantes estão as vespas parasitóides que depositam ovos dentro do corpo dos pulgões e vários predadores como joaninhas, crisopídeos e sirfídeos (moscas). Entretanto, os inimigos naturais funcionam bem em pequenas propriedades.
Os pulgões são suscetíveis a fungos entomopatogênicos, no entanto, poucos trabalhos têm sido realizados em culturas de plantas ornamentais.

Controle Químico

Leia as instruções contidas no rótulo da embalagem de qualquer pesticida. Antes de usá-lo pela primeira vez, ou em uma nova cultura, tratar algumas plantas inicialmente a fim de checar sua fitotoxicidade.

Um comentário:

  1. Hum..
    hoje eu descobri que vc é homem!
    aushuahsu ' foi mal, achei que era mulher
    enfim, não pare, estou adorando as postagens!

    ResponderExcluir